• Blog
  • Uma Tendência de Viagem do Amanhã: Turismo Sozinho e Longe Das Multidões

Uma Tendência de Viagem do Amanhã: Turismo Sozinho e Longe Das Multidões

: Chile Travel | : 17 agosto, 2020 | : Natureza ,

O Chile é um país com tesouros de infinita tranquilidade, onde o desejo de contemplar apenas a natureza aumenta a cada passo. Os lugares isolados com ambientes virgens são a opção perfeita para um turismo necessário em solidão, longe de multidões, apenas em contacto com paisagens abertas que pode percorrer com a sua mochila.

Sente uma paixão inexplicável por estar longe da cidade? Fantasia com lugares onde a “distância social” não é uma imposição, mas sim a norma? Uma das novas tendências nas viagens mundiais é o turismo a solo em grandes espaços abertos da natureza e o Chile oferece estas experiências onde, paradoxalmente, o isolamento, o fraco acesso à tecnologia e o afastamento podem ser a cura para a ansiedade modernas da distância excessiva.

Em dias em que o desejo de muitos é viajar através de enormes florestas e aventurar-se na natureza intocada, o Chile oferece estas alternativas que podem ser consideradas um luxo para a alma. Neste artigo deixamos-lhe os melhores conselhos e recomendações para uma das tendências do turismo de amanhã: viajar sozinho, longe de grandes grupos, com pouca ligação à Internet, mas com uma enorme ligação natural.

Norte do Chile

Deserto do Atacama

A paisagem inóspita do deserto, a sua semelhança – segundo os especialistas – com a superfície de Marte, temperaturas extremas e mais de 100 km² de superfície, são suficientes para decidir viajar através dela, se o que procura é sentir que no mundo só você existe.

Especificamente, no deserto mais árido do planeta, será abraçado por um silêncio esmagador e rodeado por vulcões, lagoas de planalto, zonas húmidas e salinas que, para sua segurança, só pode viajar de carro.

Um dos lugares mais solitários do deserto é a Quebrada de Paipote, localizada a nordeste de Copiapó, na comuna de Tierra Amarilla, no Deserto do Atacama. Conhecido como o “Vale do Deserto”, é o lar do Tamarugo, uma árvore nativa da área que conseguiu sobreviver num ambiente hostil, à escassez de água e às variações de temperatura que ocorrem durante o dia e a noite. Aqui, a vida assume formas verdadeiramente curiosas e inexplicáveis.

Mas se se trata de vida extrema, não podemos esquecer a cidade de Quillagua, que na língua aymara significa “Vale da Lua”, localizada a 1700 quilómetros da capital Santiago e 280 quilómetros a norte de Antofagasta, uma das cidades mais importantes do norte do Chile.

De acordo com a National Geographic é o “lugar mais seco do mundo” porque apenas 0,2 milímetros de água caíram nos últimos 40 anos. O Verão é infernal e durante o Inverno o vento não pára. Aqui a electricidade dura apenas oito horas por dia e não encontrará água potável ou quaisquer distracções para além das colinas secas e das histórias que cerca de 150 pessoas locais – na sua maioria idosos – lhe poderão contar.

Apesar da secura e quase nenhuma vida vegetal, isso não significa que seja um lugar inerte. Aqui encontrará outro “tipo” de vida e energia abundante, céus limpos perfeitos para a astronomia, culturas diversas de povos que habitavam a área antes da chegada dos espanhóis, e uma história milenar rica.

Para os astrónomos e fãs do astro-turismo, o céu do Deserto do Atacama oferece a oportunidade única de realizar esta actividade. Foi escolhido por especialistas como um dos melhores destinos para esta prática, onde o silêncio e a solidão absoluta, somados aos maravilhosos céus, dão a rara opção de observar o espaço e compreender a nossa pequena presença no universo.

E para vos motivar ainda mais, o nosso deserto tem sido palco de grandes produções cinematográficas. Por exemplo, em 2008, foram gravadas cenas do filme de James Bond “Quantum of Solace” e “Diários de Motocicleta”.

Um facto especial: a investigação concluiu que aquilo que hoje conhecemos como um deserto estava debaixo do mar há mais de 100 milhões de anos. Inacreditável!

Altiplano

Se o que procura é partir das alturas, mais de 4.000 metros acima do nível do mar para ser exacto, uma fuga para o altiplano chileno é a sua melhor opção. Muitos acreditam que encontrar vida a uma tal altitude é impossível, mas existe. E muito variada.

Para poder participar numa excursão, deve ter em conta que os seus acessos são de um nível médio de complexidade e que são necessárias várias condições. Terá de viajar com mantimentos: muita água, provisões, chá de coca (de acordo com a população local ajuda com “doença de altitude”), protector solar, roupa adequada para suportar o calor e o frio e gás ou óleo para o carro. Recomendamos que viaje com pneus extra e peças sobressalentes em caso de avaria do veículo. Pode partir das cidades de Calama ou Antofagasta no norte do Chile.

No Altiplano deparar-se-á com uma paisagem desértica onde encontrará aldeias que outrora foram enclaves humanos com centenas de pessoas, enquanto hoje em dia o número total de habitantes não ultrapassa os 500, de acordo com as últimas estimativas. É o caso de Socaire, uma cidade que se eleva acima dos 3500 metros acima do nível do mar, cuja cidade mais próxima é Camar, a 25 quilómetros de distância, ou a popular San Pedro de Atacama, a 86 quilómetros de distância. Não existem serviços básicos em Socaire e é a última cidade chilena na rota CH-23 até à fronteira argentina.

Outra cidade que pode visitar é Chiu, Chiu localizada a apenas 30 quilómetros da cidade de Calama e cuja igreja, chamada San Francisco de Chiu Chiu, data de 1540. É considerado um Monumento Nacional por ser o mais antigo do país.

A cidade de Ayquina, situada a 74 quilómetros da cidade de Calama, é uma das cidades mais desabitadas que encontrará durante a sua viagem. Aqui só verá pessoas durante o mês de Setembro, quando o carnaval em honra da Virgem de Guadalupe for celebrado e o silêncio for transformado em dança, cores e festividade. A “Fiesta de Ayquina” está cheia de danças e rituais religiosos que duram uma semana inteira, há quase 70 mil pessoas a participar e a agradecer à Virgem ou “Chinita”. No resto do ano, apenas 50 pessoas vivem na aldeia.

A 18 quilómetros de distância fica Cupo, uma aldeia de 50 habitantes que na sua maioria falam a língua Quechua e que oferece uma tranquilidade avassaladora. Nesta altura, pode desligar-se da realidade e dar a volta a cada esquina desta cidade.

Se já está a planear a sua viagem, recomendamos que o faça durante o Outono ou a Primavera. No Verão, a chuva e a neve causadas pelo inverno boliviano impossibilitam a viagem por toda a área

Chile Central

Alexander Selkirk Island, um parêntesis no tempo

Se gosta da solidão e do mar, este é o seu lugar ideal para contemplar a imensidão do silêncio e ligar-se com a parte mais íntima da sua alma. A pequena ilha Alejandro Selkirk, chamada até 1966 “Más Afuera”, está localizada no Arquipélago Juan Fernández, a 800 quilómetros da costa mais próxima em Valparaíso e a 165 quilómetros da ilha Robinson Crusoe e da pequena ilha de Santa Clara.

Tem uma área total de 48 km² e é um local praticamente desconhecido, de altura vertiginosa, remoto, isolado, de difícil acesso e de beleza perturbadora que raramente é visitado por estrangeiros. Aqui não encontrará nenhuma das coisas boas que a cidade tem para oferecer, tais como festividades, carros, TV por cabo, internet de alta velocidade ou electricidade. No entanto, o prémio desta viagem será paisagens indeléveis com vegetação exuberante e endémica, cascatas cristalinas, piscinas de água no meio de ravinas profundas, um dos santuários de aves mais privilegiados do planeta, e um descanso físico e mental que lhe será grato para o resto da sua vida.

Para além disso, a ilha tem uma história sombria como colónia penal que está relacionada com o aprisionamento político no Chile nos séculos XIX e XX e outras histórias incríveis. Uma delas é a história de quando o escritor americano Jonathan Franzen a visitou em 2011 para espalhar as cinzas do seu amigo, também escritor, David Foster Wallace. No final da sua viagem, Franzen chamou Selkirk “o lugar mais dramaticamente bonito que já tinha visto” e documentou a sua viagem no seu ensaio “More Outside”, publicado na New Yorker Magazine.

Como aceder? O Arquipélago Juan Fernández pode ser alcançado de avião, mas para chegar à ilha é preciso ter sorte e perguntar insistentemente se algum barco o aceitará na sua tripulação. Estes barcos só viajam para deixar petróleo e provisões aos pescadores que se instalam no local para recolher lagostas, e cuja estação dura sete meses, de 1 de Outubro a 1 de Maio. A viagem de Juan Fernandez a Selkirk dura pelo menos 14 horas, onde se o tempo não ajudar, terá de suportar ventos fortes e ondas que podem atingir seis metro

Sul do Chile

Araucania

675 quilómetros a sul da cidade de Santiago é a área da Araucanía, um lugar que durante séculos foi o bastião dos povos originais como os Pehuenches e Mapuches que lutaram contra os espanhóis. Esta terra fértil de belas macaqueiras pode ser acedida por avião ou carro a partir da capital do Chile, com um tempo de viagem de aproximadamente 3 horas por via aérea, ou 10 horas por via terrestre.

Se há algo a saber antes de viajar para qualquer destino na Araucania, é que deve ter um profundo respeito pela “Pachamama” (Mãe Terra) e a visão do mundo dos Mapuche. Neste lugar, cada araucária, vulcão, rio, lagoa, as estrelas, o sol, a lua e tudo o que está relacionado com a natureza tem um significado poderoso devido aos costumes e crenças dos seus habitantes.

A 90 minutos de Temuco, a principal cidade de Araucanía, pode visitar a Reserva Nacional Malalcahuello-Nalcas, um imenso parque que o impactará com a sua beleza natural e vegetação nativa, bem como vulcões incríveis, -mais activos- quedas de água e lagoas, estações de esqui, e locais para a prática de desportos num ambiente realmente verde.

A Araucanía também oferece Parques Nacionais como Villarrica, Tolhuaca, Huerquehue e Conguillío. Aqui, o mais importante é descansar rodeado por florestas mágicas de flora selvagem, nascentes minerais quentes com temperaturas por vezes superiores a 40°C, trilhos para observação da vida selvagem e uma gastronomia antiga oferecida por algumas aldeias que ainda preservam as raízes dos povos originais que os habitaram durante séculos.

Está à procura de solidão misturada com a natureza? Icalma é o destino certo. Em Mapudungún, a linguagem dos Mapuches significa “espelho de água” porque as montanhas cobertas por uma frondosa floresta de floresta de araucárias e são reflectidas na lagoa que começa no sopé do maciço. Aqui irá sentir a imensidão da natureza e deliciar-se-á com as histórias dos poucos habitantes locais sobre criaturas estranhas e animais desconhecidos que supostamente vivem entre as florestas e montanhas que rodeiam o local.

Auto-estrada do Sul

Muito mais a sul de La Araucanía, podemos viajar ao longo da Carretera Austral. Mas por onde é que começa? A primeira coisa a fazer é chegar à cidade de Puerto Montt e depois seguir para a enseada de La Arena. Aí deve atravessar de ferry para tomar a estrada para a cidade de Hornopirén.

Cada hora desta “roadtrip” valerá a pena. Verá muitos lugares nos mais de 1.200 quilómetros de beleza natural, desde Puerto Montt até Villa O’Higgins. Poderá maravilhar-se com as lagoas cor turquesa, rios intensos, florestas espessas de lariços milenares e parques nacionais variados que tentam proteger e conservar a flora e fauna endémica do local.

A Carretera Austral pode ser dividida em três: A primeira secção vai de Puerto Montt a La Junta. Aqui está o Parque Nacional Pumalín Douglas Tompkins, declarado Santuário da Natureza e com mais de 400.000 hectares rodeados de natureza pura, paisagens majestosas e proporciona a oportunidade particular de ver centenas de aves e animais que fazem parte do seu programa de conservação.

O segundo trecho começa em La Junta e termina na cidade de Coyhaique, um local ideal para recarregar mantimentos, porque à medida que se avança para sul, as distâncias tornar-se-ão cada vez mais longas. Neste trecho, pode visitar o belo Parque Nacional Queulat onde, se gosta de adrenalina, pode fazer caminhadas no “Ventisquero Colgante” e visitar os glaciares e as incríveis quedas de água. Também se poderia visitar a cidade de Puyuhuapi, berço de florestas exóticas e rios imaculados, ideal para navegar e visitar a cidade de Puerto Cisnes.

O último trecho começa em Coyhaique e termina em Villa O’Higgins. Nesta altura pode sair para explorar o rio Mosco, visitar a Reserva Nacional Cerro Castillo, perfeita para os amantes do trekking, mas completamente afastada dos grandes grupos. Este parque é relativamente novo, sem alojamentos ou grandes alojamentos, apenas o circuito de 51 km e alguns parques de campismo, rodeado por cadeias de montanhas e flora e fauna nativas

Ilha Navarino em Tierra del Fuego

Finalmente, no chamado “verdadeiro fim do mundo”, encontramos a Ilha Navarino. Um lugar misterioso do qual pouco se conhece fora do Chile e que faz parte do Arquipélago da Terra do Fogo.

Chegar lá não é fácil devido à sua condição insular. Fica a mais de 500 quilómetros de Punta Arenas (a cidade mais a sul do Chile) e o único meio de ligação é um ferry que demora 33 horas e faz a travessia apenas uma vez por semana. Contudo, há também companhias aéreas com frequência diária se o tempo permitir viajar.

Isla Navarino apresenta uma natureza virgem, com florestas de Magalhães de árvores nativas e montanhas, rios e lagos praticamente intocados, razão pela qual é possível fazer trekking ou caminhadas durante três a cinco dias, em absoluta solidão, através dos Dientes de Navarino, uma formação de montanhas que se assemelham à formação de um dente.

Neste belo pedaço de terra será surpreendido por uma fauna raramente vista, que consiste em golfinhos, baleias, baleias assassinas e leões marinhos. Também se podem ver pinguins, condores e gaivotas. Se gosta de fotografia e de observar animais, este lugar oferece-lhe uma oportunidade única.

Uma dica? A melhor altura para visitar Isla Navarino é de Dezembro a Março e a cidade mais próxima é Puerto Williams, com uma população de 2.200 habitantes.


: Chile Travel

Chile Travel
Guía para descubrir los destinos excepcionales que se encuentran de norte a sur en Chile, compartiendo información y valiosos datos con todos los viajeros que aman su naturaleza indómita, paisajes llenos de contrastes y, por sobre todo, la calidez de su gente.

Guía para descubrir los destinos excepcionales que se encuentran de norte a sur en Chile, compartiendo información y valiosos datos con todos los viajeros que aman su naturaleza indómita, paisajes llenos de contrastes y, por sobre todo, la calidez de su gente.