• Blog
  • Noite em volta da fogueira? Aprenda as histórias, mitos e lendas do Chile

Noite em volta da fogueira? Aprenda as histórias, mitos e lendas do Chile

: Chile Travel | : 15 novembro, 2019 | : Cultura ,

Nos campos, montanhas e aldeias à beira-mar em todo o Chile, eles passam de pais para filhos e avós e netos, histórias que explicam fenômenos da natureza e crenças seculares, deixando uma marca da rica visão de mundo de nossos povos ancestrais. Fique animado em nossa história e conheça as histórias, mitos e lendas do Chile.

E é que alguns dizem que realmente aconteceu, outros que foi o produto da imaginação coletiva e, pelo menos, que era simplesmente um sonho. A verdade é que as histórias se juntaram, desenvolveram e acrescentaram mais detalhes ao longo do tempo, povoando a memória dos chilenos, o pensamento mágico de cada um e agora decidimos compartilhá-los para que eles comecem a viajar pelo mundo.

Imagen de un grupo de turists con una machi mapuche

A FLOR DE AÑAÑUCA

A bela jovem chamada Añañuca morava em Monte Patria, uma cidade perto do rio Limarí. Então foi chamado Monte Rey, porque ainda estava sob domínio espanhol. Embora os jovens da cidade a cortejassem o tempo pedíamos a sua atenção, ninguém daí foi capaz de conquistá-la. Um dia, um mineiro misterioso e bonito chegou procurando uma faixa dourada.

Quando ele viu Añañuca, ele se apaixonou por ela e ficou morando em Monte Rey. Enquanto isso, Añañuca também se calou com os encantos do jovem. Uma noite, o mineiro sonhou que um duende da montanha lhe mostrava o local exato da faixa dourada que procurava obsessivamente. Sem hesitar, ele saiu, deixando a donzela com a promessa de voltar para ela.

Dia após dia, Añañuca esperou, mas sua paixão nunca voltou. A tristeza tomou conta de seu corpo e mente, até morrer lentamente de amor. O povo de Monte Rey chorou e enterrou um dia de chuva incomum no norte do Chile. No dia seguinte, o sol aqueceu o vale e estava cheio de lindas flores vermelhas, que em homenagem à jovem se chamavam Añañuca.

A flor cresce até hoje entre Copiapó e o vale Quilimarí e, depois que o céu chora, o pampa se torna um maravilhoso deserto florido e o Añañuca é a flor mais procurada pelos visitantes.

Imagen d euna hermosa flor rosada de añañuca

A PEDRA DO LEÃO

Quando os espanhóis chegaram à cidade de San Felipe, a poucos quilômetros ao norte de Santiago, muitos pumas moravam lá. Felinos enormes que eram vistos com freqüência percorrendo montanhas e vales, e dividiam a terra em silêncio com os nativos.

Em uma das colinas ao redor de San Felipe, chamada Yevide, vivia um belo puma que deu à luz dois filhotes saudáveis ​​e brincalhões na primavera. Quando ela se afastou do local para caçar para alimentar seus filhotes, alguns ladrões passaram e levaram os filhotes.

A mãe, desesperada, procurou-os incessantemente, sem resultados. Quando a noite chegou, ela ficou desconsolada ao lado da maior rocha da colina de Yevide e rugiu tão alto em sua dor que todos os habitantes ao redor a ouviram lamentar.

O animal entristecido desapareceu e, desde então, nunca mais viu um puma em volta do local. Atualmente, durante as noites de inverno, os aldeões costumam ouvir o gemido do puma, dizem que é a alma do animal que ainda reivindica as crianças deixadas na pedra.

O LAGO DO INCA

Pouco antes da chegada dos espanhóis à América do Sul, os incas estenderam seu território à zona central do Chile, há inúmeros vestígios arqueológicos e histórias locais que explicam essa presença.

Na cidade de Portillo, o conhecido centro de esqui localizado a poucos quilômetros de Santiago, existe uma famosa lagoa esmeralda: a Laguna del Inca.

Diz a lenda que os Inca Illi Yupanqui se apaixonaram pela linda princesa Kora-llé. O amor correspondente seria selado em uma cerimônia de casamento em um dos cumes que cercam a lagoa.

De acordo com o ritual, após a cerimônia, a noiva vestida com roupas de noiva e jóias preciosas teve que descer com sua comitiva descendo a encosta. Como a estrada era estreita e coberta de cascalho, a princesa escorregou, caindo no vazio.

Illi Yunpanqui correu desesperado, apenas para encontrar sua amada que estava morta na beira da lagoa. Com muita dor e acreditando que nenhum túmulo seria Grande o suficiente para receber sua princesa, ela decidiu que o corpo seria depositado nas profundezas da lagoa.

Kora-llé estava envolta em lençóis brancos e seu corpo foi depositado no centro da lagoa. Quando seu corpo afundou, a água ficou magicamente esmeralda, da mesma cor dos olhos da princesa.

Desde então, diz-se que a Laguna del Inca está encantada e que, em suas águas tranquilas, a alma de Illi Yupanqui vagueia chorando pela ausência de sua noiva. Visite-a em um pôr do sol de inverno, e prometemos que os tristes sons dos lamentos do Inca que nunca deixaram de amar a esposa dele chegarão aos seus ouvidos.

Imagen de la Laguna del Inca con un turista haciendo ski

LA PINCOYA

Um dos mitos chilenos mais conhecidos e populares entre os pescadores da ilha de Chiloé é o de Pincoya, uma mulher que vive no mar, mas ao contrário da sereia, tem um corpo completamente humano e um lindo cabelo loiro.

La Pincoya é uma jovem que vive nas profundezas do Oceano Pacífico, mas às vezes ela vai às praias para anunciar a abundância ou escassez de pesca, dependendo da orientação em que ela executa sua dança esperada.

Quando Pincoya aparece na praia dançando com os braços abertos e de frente para o mar, os pescadores esperam uma pesca abundante. Pelo contrário, se você dança olhando para dentro, é um mau presságio que levará o peixe embora.

A alegria, mesmo da pobreza, atrai os Pincoya para realizar sua dança preditiva, de modo que os chilotes cantam, dançam e fazem curantos para que ela os veja e os favorece.

O Pincoya, de grande beleza, bondade e doçura, também tem a tarefa de resgatar os pescadores perdidos e trazê-los de volta para a costa. Quando isso não é possível, diz o mito de que ela os pega e sai no convés do navio fantasma El Caleuche, para que eles revivam como parte de sua tripulação.

Imagen del muelle de las almas en Chiloé

THE CALEUCHE

Uma das lendas mais difundidas no Chile também navega pelas águas que cercam a ilha de Chiloé. O Caleuche, um navio de um marinheiro holandês errante ou um navio negreiro, quem sabe? É um mito que ainda tem filmes de animação e músicas de ritmo pegajoso.

A verdade é que os chilotes nos dizem que, de tempos em tempos, um navio fantasma que parece estar sempre velejando entre as ilhas e os canais. Cheio de luzes, a alegria de A celebração pode ser ouvida de longe, com música que incentiva os membros da equipe que dançam e se divertem no navio da lenda.

A melodia e a agitação são hipnotizantes para quem a ouve e é um grande perigo, já que os corajosos que se aproximam demais podem ser capturados pela nave fantasma e condenados a viver eternamente como sua tripulação.

A lenda diz que a tripulação de Caleuche é composta por feiticeiros e mágicos, e que nas noites escuras ilumina suas velas avermelhadas. Quando ele quer se esconder, faz com que um denso nevoeiro percorra o arquipélago à luz do dia, ou simplesmente se torna invisível ou se torna uma rocha, e sua tripulação são leões-marinhos ou gansos.

Cuidado! Que aqueles que olham diretamente para Caleuche possam ficar, por bruxaria, com a boca torta ou com a perna virada para trás. E tenha cuidado para que os naufrágios e afogados, no entanto, muitos deles levados ao navio pelos Pincoya possam entrar no navio. Esses novos tripulantes podem ver as cidades do fundo do mar e seus tesouros, mas nunca divulgam o que viram.

Imagen de un pescador entre los palafitos de Chiloé

O DEDÃO DO PÉ DO INDIO PATAGON

Na cidade de Punta Arenas, a lenda conta que uma noite um marinheiro espanhol estava pensando em frente ao monumento do navegador Hernando de Magallanes, quando de repente olhou para o índio patagônico que acompanha o marinheiro naquela estátua.

Tanto era o fascínio do marinheiro pela figura do índio, que decidiu desenhar sua imagem no peito e foi a um treinador qualificado para fazer o trabalho da maneira mais fiel possível.

A delicadeza e o realismo da tatuagem eram tão grandes que o índio no peito do marinheiro parecia ganhar vida a cada movimento, seus olhos pareciam olhar e suas bochechas tremiam. Mas o mais impressionante foi o dedão do pé, que parecia tremer à medida que a pele se movia.

Pensando na frente do espelho, o espanhol pensou em perguntar mentalmente ao indiano se suas próximas aventuras teriam o sucesso que ele esperava. De repente, para sua grande surpresa, ele viu como o dedão do pé indiano se movia afirmativamente. Feliz e confiante com a resposta, ele foi ao porto para embarcar.

Ao passar pelo monumento, ele parou ao lado da figura do índio e, batendo no peito, disse: “Aqui vou levá-lo, amigo. Quero ser tão forte quanto você e não ser atingido por balas. Então, ele se aproximou e deu-lhe um grande beijo no dedão do pé, dizendo: “Me ajude, me dê sorte”.

Meses depois, o marinheiro retornou a Punta Arenas, radiante de alegria, contou como se saíra e o que pensava ser a razão do seu sucesso.

Depois disso, e até hoje, é costume que aqueles que passam na frente da estátua na Plaza de Punta Arenas beijem ou toquem o dedo do pé do índio, pedindo ajuda e proteção. E os viajantes que fizerem isso garantirão seu retorno à área. Visite a ponta sul do Chile e veja por si mesmo o poder do índio da Patagônia!

Imagen de la estatua del indio Patagón en el sur de Chile


: Chile Travel

Guía para descubrir los destinos excepcionales que se encuentran de norte a sur en Chile, compartiendo información y valiosos datos con todos los viajeros que aman su naturaleza indómita, paisajes llenos de contrastes y, por sobre todo, la calidez de su gente. // A guide to discover extraordinary destinations from north to south of Chile, sharing information and important data with travelers that love its untamed nature, landscapes full of contrasts and, above all, the warmth of its people.

Guía para descubrir los destinos excepcionales que se encuentran de norte a sur en Chile, compartiendo información y valiosos datos con todos los viajeros que aman su naturaleza indómita, paisajes llenos de contrastes y, por sobre todo, la calidez de su gente. // A guide to discover extraordinary destinations from north to south of Chile, sharing information and important data with travelers that love its untamed nature, landscapes full of contrasts and, above all, the warmth of its people.