• Blog
  • AS AVES QUE SÓ SE ENCONTRAM NO SUL DO MUNDO

AS AVES QUE SÓ SE ENCONTRAM NO SUL DO MUNDO

: Chile Travel | : 19 janeiro, 2021 | : Natureza ,

UM REFÚGIO PARA AS NOSSAS AVES ENDÉMICAS

A natureza privilegiada do nosso país oferece abrigo a mais de 500 espécies diferentes de aves que atravessam os céus ou correm em terra e zonas húmidas, reservatórios, lagos, lagoas e fozes de rios. Não vamos esperar mais e vamos conhecer alguns deles.

Pegue nos seus binóculos ou na sua máquina fotográfica, nos seus confortáveis sapatos de caminhada e nas suas roupas coloridas não brilhantes e venha visitar as paisagens do Chile. Como amante do birdwatching, sabe que tem de ser paciente e aguçar os seus sentidos para conseguir a tarefa de observar aves.

33 espécies de aves no Chile estão ameaçadas de extinção, pelo que a abordagem cuidadosa e conservacionista dos locais de observação deve ser rigorosamente respeitada.

O NORTE, O MAR E O DESERTO 

Sabe-se que o deserto está cheio de vida e há muitas espécies de aves que vivem nesta zona, não só nas costas, mas também nos vales, nas montanhas e nos lagos a grande altitude. A proximidade dos ecossistemas da fronteira norte, bem como a posição geográfica dentro da rota migratória de espécies do hemisfério norte, fazem da área de Arica e do altiplano um ponto de passagem obrigatório para todos os adeptos da observação de aves. Aqui verá o belo e chamativo colibri ou colibri de Arica (Eulidia yarrellii).

picaflor-aves-de-chile

Foto: Luis Felipe / IG: @avifauna_chilena

Também no norte, um destino a não perder para apreciar as aves do Chile é a zona húmida na foz do rio Lluta, uma área protegida de mais de 30 hectares à beira-mar, mas que naturalmente se estende muito para além.

Este impressionante ecossistema está localizado apenas a 10 quilómetros da cidade de Arica e foi declarado “santuário da natureza”, além de fazer parte da Rede de Reservas de Pássaros do Hemisfério Ocidental (WHSRN). 

O local é o lar de milhares de aves, entre as quais mais de 180 espécies diferentes foram registadas, incluindo aves residentes e migratórias, representando quase um terço das aves do Chile.

As espécies sul-americanas endémicas que verá aqui são a tarambola-de-cabeça-grande (Burhinus superciliaris), o cachorrinho, também conhecido como o quero-quero-da-praia ou pernilongo de costas brancas (Himantopus melanurus).

 

DIVERSIDADE NOS CAMPOS E FLORESTAS

A cerca de 200 quilómetros a sul de Santiago em direcção à costa, encontra-se a zona húmida de Cáhuil, na foz do rio Nilahue, também famosa pelas suas águas salinas. Um ambiente belo e pacífico, bem implementado com miradouros e passadeiras, é o lar de cerca de 60 espécies de aves chilenas, tanto migratórias como residentes, incluindo o cisne Coscoroba (Coscoroba coscoroba) e o cisne de pescoço preto (Cygnus melancoryphus) em vias de extinção.

Outra zona húmida ainda mais próxima de Santiago, ao norte, é o Batuco, onde existem cerca de 70 espécies de aves, tanto residentes como migratórias, e onde também se podem ver aves costeiras, fazendo deste lugar um reservatório para quase 20% das aves do Chile.

O que se pode esperar? Para além de um ecossistema protegido de cerca de 300 hectares, uma paisagem relaxante e em movimento, aqui encontrará um grande número de aves residentes, aves migratórias e visitantes ocasionais. Ideal para observação de aves.

O parque natural San Carlos de Apoquindo, desde Santiago até à cordilheira, também o espera com diferentes opções de trekking em cujos caminhos vemos uma grande variedade de aves típicas da montanha central e da zona pré-cordilheira do Chile.

E se forem espécies endémicas, aqui verá também a perdiz chilena, o inambú chileno, ou cabra da montanha (Nothoprocta perdicaria), embora tenha de ser paciente, porque a sua plumagem castanha com manchas pretas e brancas permite que se misturem facilmente com o seu ambiente. Têm também uma grande capacidade de se curvar e ficar quietos, o que os torna muito difíceis de encontrar e observar.

perdiz-ave-de-chile

Foto: Eduardo Navarro @edonavarroce

E aqui destacamos também, naturalmente, o enorme condor (Vultur gryphus), a ave nacional do Chile, que embora não seja apenas endémica para o país, é também endémica para uma grande área dos Andes. Pode ser visto na zona central do Chile onde está localizado o Parque San Carlos de Apoquindo.

O condor merece uma menção especial por ser uma das maiores aves voadoras do planeta, atingindo até 142 centímetros de altura e com uma envergadura de asas de mais de 3 metros. O espectáculo de ver um condor deslizar sobre os picos dos Andes é impressionante e de cortar a respiração.

ondor-ave-nacional-de-chile

Um pouco mais a sul, o chucao é uma ave amigável, de cauda erguida, de garganta laranja, endémica das florestas temperadas do sul-centro do Chile e nas zonas limítrofes da Argentina. Irá identificá-lo facilmente porque se move saltando e ocasionalmente voando curtas distâncias.

Dizem que se ouvir uma canção de chucao é um sinal de boa sorte, embora alguns vão ainda mais longe, dizendo que se a ouvir à sua direita é um sinal de boa sorte; enquanto que ouvi-la à sua esquerda é um sinal do contrário. Acreditamos que só ouvir e ver é um sinal de grande sorte… e um privilégio!

chucaco-ave-de-chile

Foto: Felipe Román @fotosafaritorresdelpaine

EM JUAN FERNANDEZ, O ARQUIPÉLAGO TRANSFORMOU-SE NUM PARQUE NACIONAL

Provavelmente já o leu. E se não o fez, corra e leia Robinson Crusoé, o fantástico romance de Daniel Defoe que o leva a dar um primeiro olhar sobre este arquipélago que inclui as ilhas de Santa Clara, Alejandro Selkirk e a ilha Robinson Crusoé. Trata-se de um “paraíso perdido” de espécies, que em 1977 foi declarado pela UNESCO como Reserva Mundial da Biosfera.

Aqui, no meio de uma natureza exuberante e se tiver a paciência do náufrago do romance, poderá ver o Cachudito de Juan Fernández (Anairetes fernandezianus), uma das aves endémicas da ilha Robinson Crusoe, pequena e com um arco na cabeça como um chifre, ou “cacho”, que lhe deu o seu nome.

cachudito-aves-de.-chile

Foto @avesdechile5

E claro, o Beija-flor ou beija-flor de Juan Fernandez (Sephanoides fernandensis) também leva o nome do arquipélago. Os machos são vermelho escuro com penas douradas na cabeça, enquanto as fêmeas são brancas com pequenas áreas verdes e pretas, com uma coroa azul iridescente, e azuis e verdes no topo. 

Parecem dois beija-flores diferentes, mas trata-se apenas de um exemplo espectacular de dimorfismo sexual. Considerando que também está em perigo, é preciso ter tempo para o procurar e observá-lo quando se está no arquipélago.

picaflor-juan-fernandez-aves-chile

Foto: @avesdechile5

Uma terceira ave endémica do arquipélago de Juan Fernández é o Rayadito de Más Afuera, cujo habitat natural cobre apenas onze quilómetros quadrados, de áreas com arbustos húmidos e múltiplos fetos de árvores acompanhadas de canela (Drimys confertifolia), árvore também endémica do arquipélago.

Não demore a procurá-lo; a sua existência está criticamente em perigo.

rayadito-aves-de-chile

 

Foto: @avesdechile5

O “FEITICEIRO” DO CHILOÉ

Diz a lenda que o Diucon de Chiloé (Xolmis pyrope fortis) é o assistente diurno dos “feiticeiros” na ilha de Chiloé, no sul do Chile. O feiticeiro escolhe um Diucon e “envia-o” para espiar as pessoas ou para anunciar uma opinião ou mandato. Daí o nome “mandao”.

É também para os locais uma ave de mau agouro: só a sua presença avisa que alguém pode ficar doente, ou se voar para baixo a partir do topo de um ramo, está a apelar para a tempestade. O diucon deve ser respeitado e bem tratado, mas acima de tudo, deve ser conhecido e observado de modo a conhecer o seu comportamento curioso, que não se afasta facilmente dos seres humanos, e que parece observar-nos de perto com os seus imperturbáveis olhos vermelhos.

diucón-ave-de-chile

Foto: @aves.dechile

NA TERRA DO FOGO, A ZONA HÚMIDA

Aqui vive a tarambola ou tarambola de Magalhães (Pluvianellus socialis), uma ave endémica da Patagónia. A tarambola de Magalhães é um dos reis da Terra do Fogo, e grande parte da sua população mundial encontra-se nas zonas húmidas do interior da Ilha Grande, no centro-norte.

É uma das aves mais raras do mundo, encontrada apenas na ponta sul da América do Sul, em Magalhães, Tierra del Fuego, Ilhas Falkland, e ocasionalmente na Ilha de Lennox. Irá reconhecê-la pela sua suave aparência cinzenta e branca plumagem e pelas suas pernas cor-de-rosa brilhante e olhos vermelhos.

chorlo-de-magallanes-aves-de-chile

 

Foto: @chorlodemagallanes

Estas e outras espécies endémicas estão à sua espera para que as veja no seu ambiente natural e as grave nas suas fotografias ou na sua memória como uma extraordinária exibição da natureza do fim do mundo.

Concurso! participe no sorteio de um par de binóculos Swarovski Optik introduzindo o seguinte link http://chiledayandnight.co.uk/ onde só tem de responder a uma pergunta e completar os seus dados.


: Chile Travel

Avatar
Escritor de blog para Chile.Travel

Escritor de blog para Chile.Travel